Santuário Nossa Senhora da Piedade

Santuário

Nossa Senhora da Piedade

Arquidiocese de Sant'Anna de Botucatu - Lençóis Paulista SP

A história de dois restauros

A história de dois restauros

Maria Helena Chartuni, restauradora da imagem original de Nossa Senhora Aparecida, esteve em Lençóis e contou sua história

Exatos 40 anos se passaram e Maria Helena Chartuni se lembra como se fosse ontem do maior desafio de sua vida: remontar, como um quebra-cabeças, uma estátua estraçalhada. Mas não era uma estátua qualquer, tratava-se de um dos maiores símbolos católicos do país, a imagem original de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, que havia sofrido um atentado no ano de 1978, na cidade de Aparecida do Norte.
Chartuni conta que quem viu a imagem naquele estado não acreditava que fosse possível reconstruí-la e que entre essas pessoas estava ela própria, que na época, aos 35 anos, trabalhava no Museu de Arte de São Paulo (MASP) e levou um susto quando viu a imagem dividida em centenas de pedaços.
“Quando tive diante de mim aquela imagem toda esfacelada, em mais de 200 pedaços, de fato, me senti em pânico”, revela a artista, que assumiu a tarefa de restauração da imagem com todo o conhecimento que possuía, mas só se deu conta de tamanha responsabilidade quando começou a ser procurada por fiéis, padres e jornalistas, que queriam conhece-la e contar sua história.
“Lembro-me que dias antes de receber tal missão grandiosa eu, que passava por um momento difícil de minha vida, sonhei que estaria rodeada de muitas pessoas em uma grande festa, mas não havia entendido a mensagem e acabei me esquecendo. E lembro também que ao ficar diante da imagem, só nós duas, eu pedi ajuda e proteção a ela (Nossa Senhora Aparecida), a qual havia me dado tamanha tarefa”, comenta.
Foram 33 dias de trabalho sem interrupção, número que representa exatamente a idade de Jesus Cristo. Essa e outras ‘coincidências’ aconteciam na vida da artista, principalmente quando ela estava dentro de seu estúdio com a imagem, realizando seu trabalho. “Eu posso dizer com toda certeza, ali não era só eu quem estava trabalhando. Eu restaurei a imagem e Nossa Senhora Aparecida trabalhou para restaurar minha fé e minha vida”, revela.
Mesmo com toda a responsabilidade depositada em suas mãos, Chartuni conta que só percebeu a importância da imagem para o país e para as pessoas quando ela ficou pronta e foi carregada dentro de um suporte em um cortejo que saiu pela enorme Avenida Paulista, em São Paulo, com destino a cidade de Aparecida do Norte, seguida por milhares de fiéis. “Aquela emoção das pessoas não tinha nada a ver com marketing religioso. Aquilo, de fato, me tocou e me emocionou profundamente”, recorda.
Há dois anos a artista escreveu um livro no qual narra a experiência que mudou sua vida: “A História de dois restauros – Meu encontro com Nossa Senhora Aparecida”, no qual, como o próprio nome já diz, conta a trajetória toda, desde o início do trabalho até a entrega da imagem restaurada, colocando no papel toda sua emoção.

A convite do padre Milton Perretti, Maria Helena Chartuni esteve em Lençóis Paulista na última quarta-feira (25), na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, onde participou da missa e pode contar sua história para os fiéis lençoenses. A visita marcou o início da programação em louvor ao dia da Padroeira – comemorado em 12 de outubro – que neste ano lembrará os 40 anos do restauro com o tema “Em Jesus, com Maria, Restauramos a Vida”.

BIOGRAFIA 
Maria Helena Chartuni, nascida em São Paulo em 1942, hoje com 75 anos, tem uma vida toda ligada à arte. É escultora, pintora, restauradora, desenhista e ilustradora. Participou de diversas exposições no Brasil e no exterior, tendo integrado importantes movimentos e eventos culturais como a VII Edição da Bienal Internacional de São Paulo, além de ter chefiado o Departamento de Restauro do Museu de Arte de São Paulo (MASP), quando fez a restauração da imagem de terracota de Nossa Senhora Aparecida, encontrada por pescadores nas águas do Rio Paraíba do Sul em 1717. A imagem que em 1978 foi fragmentada em mais de 200 pedaços em um atentado ocorrido na Basílica de Aparecida, desde então recebe periodicamente a visita e os cuidados necessários da restauradora.
http://www.jornaloeco.com.br/materia/3847/a-historia-de-dois-restauros

Deixe um comentário