Santuário Nossa Senhora da Piedade

Basílica Velha de Aparecida completa 130 anos

A “Igreja de Monte Carmelo”, popularmente conhecida como Basílica Velha, celebrou no último domingo, 24 de junho, seus 130 anos de história e propagação da devoção a Nossa Senhora Aparecida em todo o Brasil.

Basílica Velha de Aparecida completa 130 anos.jpg

Em 24 de junho de 1888, a cidade de Aparecida festejava, às 10h30, a solene celebração de inauguração do templo, presidida por Dom Lino Deodato Rodrigues de Carvalho, então bispo de São Paulo. Na época, uma multidão de fiéis, assim como autoridades civis e eclesiásticas, acompanhou cerimônia.

“Nós estamos diante de um templo (Basílica Velha) que concretiza todo o catolicismo do povo brasileiro, tanto do ponto de vista técnico e oficial de reconhecimento da Igreja Católica, como do uso concreto desse templo para lugar do grande desenvolvimento da devoção a Nossa Senhora Aparecida. Da imagenzinha pobre e quebrada, que foi pescada no Rio Paraíba do Sul, à Imagem Oficial da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora da Conceição Aparecida, mãe de Jesus Cristo”, afirmou o Padre Victor Hugo Lapenta.

“Um prédio com mais de 100 anos de uso estava bastante deteriorado. Não apresentava nenhum risco de desmoronamento, mas o prédio tinha passado por muitas modificações durante esse período e, visualmente, não tinha mais um aspecto edificante, tanto do ponto de vista artístico, de facilitação de seu uso como de seu desenvolvimento litúrgico e piedoso. Por isso foi necessário o restauro”, comentou o sacerdote, acerca da restauração da Basílica Velha em 2004. A reinauguração do templo ocorreu em 2015.

História

A primeira capela dedicada a Mãe Santíssima foi feita no Morro dos Coqueiros, em 1745, sendo melhorada e ampliada conforme o passar dos anos.

Em 1844, com o aumento constante no número de romeiros, a mesa dirigente da capela, após várias consultas, optou pela demolição do antigo templo para construir uma nova igreja, maior e mais ampla, que foi inaugurada no ano de 1888.

No dia 28 de novembro de 1893, a Basílica recebeu o título de Episcopal Santuário de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, em documento assinado por Dom Lino.

Fato triste

Assolada pela chuva e ventos fortes, Aparecida viveu um dos episódios mais tristes de sua história em 16 de maio de 1978. Naquele tempo, houve um blecaute que ocasionou em um verdadeiro apagão em toda a Basílica Velha, durante a missa das 20h, no momento da distribuição da Comunhão.

Durante o blecaute, um jovem de 19 anos se dirigiu ao altar, pulou no nicho onde estava exposta a Imagem de Nossa Senhora, quebrou o vidro de proteção e raptou a Virgem Santíssima.

Ao retirá-la, a coroa se prendeu, inicialmente, à vidraça estilhaçada, caindo no chão e sendo amassada. Em seguida, a cabeça se desprendeu e também caiu, estilhaçando-se em inúmeros pedaços.

O jovem, com o corpo da Imagem nas mãos, foi alcançado pelo guarda João Batista. Nisso, ele deixou cair o restante da Imagem, saindo em disparada pelas ruas de Aparecida logo a seguir. Após ser capturado em definitivo, a pouco mais de um quilômetro da Basílica, foi encaminhado a um sanatório.

As freiras Efigênia e Êgide, com a ajuda dos fiéis presentes na missa, começaram a juntar os mais de 200 pedaços da Imagem espalhados no local. A artista plástica Maria Helena Chartuni ficou encarregada pela reconstrução da Padroeira do Brasil.

Após 33 dias, a Imagem regressou ao Santuário Nacional de Aparecida, em um carro aberto do Corpo de Bombeiros, no dia 19 de agosto do mesmo ano. (LMI)

https://www.gaudiumpress.org/content/96200

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *